banners-fvl-paraiso-850

no aNuma noite quente, do outro lado da linha, uma voz começou firme, para depois tremer e desabar no inesperado de uma confissão. “Quero ser quem eu era, aquela pessoa que acreditava no amor, que esperava coisas boas”. Alguém dividia comigo a descoberta feita a partir da disposição de encarar o próprio reflexo, no desejo profundo de recuperar a liberdade de voltar a ser a melhor versão da sua identidade.

Os aprendizados, as relações, amizades, vivências, vão nos formatando. A gente muda um tanto, e mais um pouco. É primordial e faz parte do crescimento. Quando a transformação está em harmonia com o que somos, promove expansão, evolução. E quando se muda por alguém? Para se encaixar numa situação? Ou quando o molde é formado por outra agressão em resposta a ameaças ou violência?

Alguns perdem o sono, o brilho, a cor do sorriso, e a cabeça roda em vertigem. Se apresenta uma variedade de outros efeitos colaterais, sendo o mais corrosivo deles o não reconhecimento da própria identidade. É como vestir uma roupa que não cabe, num aperto de desconforto dentro da própria pele.

Se doar não é se esvaziar

“No que me transformei”? Me surpreendia porque eram palavras de alguém de coração generoso, talvez ocupado demais valorizando o externo e menos a si mesmo. Se doar por inteiro não é se esvaziar, se o coração continuar se nutrindo de amor próprio e absorvendo vibrações de fontes que tragam paz, energia, e mais vida.

Naquela noite, nossas mãos se uniram para atravessar um vale escuro. A amizade tem a nobreza de conseguir acender pequenas ou grandes luzes, pontuando o caminho daquele que está paralisado a vislumbrar apenas neblina. Muitas vezes pouco é necessário ser respondido. O outro só precisa dividir o som da própria voz sentenciando o alívio daquilo a que não quer se resumir, e dando as boas-vindas à sua própria grandeza. Fiquei no papel de ouvir, e de reafirmar: te vejo, te amo, você consegue.

Um novo começo

Enfrentar a si mesmo e admitir que permitiu chegar num estado classificado como “nenhum lugar”, foi o ponto gota d´água para um outro começo. Porque houve vontade absoluta interior, a mudança aconteceu. Foi grandioso notar, há poucos dias, seu leve sorriso brotando da alma, e a determinação de preservar sua liberdade de SER.

Se você ainda tem alguma dificuldade de se respeitar, de se amar, leia também este texto.